CASA NO CRATO // Construção de Raiz

Partilhar Projecto:

Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom

FICHA TÉCNICA

Projecto: Casa Crato

Localização: Crato, Portugal

Programa: Construção de Raiz de Edifício de Habitação Unifamilar

Área: 378m²

Fase de Projecto Actual: Concluído

Ano: 2018-2021

FOTOGRAFIA

Alexander Bogorodskiy

MEMÓRIA DESCRITIVA

A Casa no Crato foi desenhada para um casal amante da natureza e do silêncio, que procurava um lugar de refúgio, longe da agitação da cidade. Situa-se no alto Alentejo, numa propriedade com cerca de 70 hectares, onde os carvalhos, as azinheiras, os sobreiros e as giestas povoam os diversos montes e criam uma paisagem idílica. Um pequeno riacho atravessa todo o terreno, dando origem a uma lagoa que serve como ponto de refresco para os animais de pastoreio. A ausência de elementos construídos possibilitou que se desenhasse a proposta tendo como ponto de partida a natureza. A implantação da casa foi feita no topo de uma colina, com vista privilegiada para a lagoa e os montes circundantes, e a sua forma em cruz derivou da adaptação da construção ao lugar e às suas pré-existências naturais, contornando as árvores em seu redor, sem que nenhuma destas tenha sido derrubada. Ao moldar a construção em torno das árvores, permitiu-se que cada um dos seus quatros braços fosse inteiramente rodeado pela paisagem envolvente que penetra no interior de cada espaço, criando a ilusão de uma construção de escala mais reduzida. A entrada na propriedade, situada a uma cota inferior, enuncia um percurso que serpenteia o terreno, permitindo a quem aqui chega absorver o ambiente da região, não revelando de imediato a casa e a paisagem no seu todo. A partir deste percurso chegamos ao vestíbulo de entrada, que consiste no ponto de interseção dos dois eixos que definem a organização espacial da casa, e a partir do qual se acede aos restantes espaços. No volume contíguo à entrada encontramos o espaço de refeições e a sala, que se abrem de forma franca para a extensa vista do montado. Na extremidade deste braço surge o escritório – um espaço de carácter mais intimista separado dos restantes através de um alpendre, e com uma relação mais “serena” com a paisagem. No volume perpendicular ao anterior, surge a cozinha, a uma cota mais baixa, com uma relação próxima com a piscina que dela se vislumbra, conferindo a este espaço um carácter lúdico e de convívio. Por considerarmos que a casa e a paisagem se fundem num só elemento, foi essencial pensar nos arranjos exteriores de forma coerente, escolhendo plantas adaptadas ao clima, com pouca manutenção e resistentes à seca, com o objectivo de criar ambientes específico para cada área. Neste caso, no espaço exterior junto ao alpendre da cozinha, foram plantadas várias espécies de plantas aromáticas, como o tomilho, a erva príncipe e o alecrim, que além do cheiro, podem ser utilizadas na confecção de alimentos. Por fim, no lado oposto ao da cozinha, desenvolve-se o volume dos quartos, a uma cota mais elevada, acessível através de uma escada, que se prolonga para o corredor que dá acesso aos quartos e que se encontra pontuado por um conjunto de aberturas verticais que permitem a iluminação natural do espaço, mas que mantêm a privacidade desta área. Cada quarto tem uma relação independente com a paisagem, usufruindo de uma vista mais controlada, dada a topografia que os acolhe. A lavanda e outras espécies de pequena dimensão formam a bordadura junto aos alpendres dos quartos, reforçando a tranquilidade inerentes a estes espaços. Adoçada a este volume encontramos uma fonte, que reforça a presença do elemento água junto a casa, servindo também como bebedouro para os animais que se aproximem. Ao longo de toda a casa foram criados alpendres que funcionam como espaços de transição entre o interior e o exterior, permitindo que a vivência das áreas habitáveis se encontre com a paisagem alentejana em lugares de permanência à sombra. Estes espaços podem ser ocultados por portadas perfuradas de aço corten, uma reinterpretação do “muxarabi” - elemento da arquitectura vernacular árabe, que controlam de forma passiva a temperatura no interior da casa, dado que permitem o encobrimento e a ventilação constante destes espaços.