CASA PESCADORES // Projecto de Reabilitação e Ampliação

Partilhar Projecto:

Pré-Existência
Pré-Existência
press to zoom
Pré-Existência
Pré-Existência
press to zoom
Pré-Existência
Pré-Existência
press to zoom
Pré-Existência
Pré-Existência
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom
Obra Concluída
Obra Concluída
press to zoom

FICHA TÉCNICA

Projecto: Casa Pescadores

Localização: Trafaria, Portugal

Programa: Reabilitação e Ampliação de Habitação Unifamiliar

Área: 204m²

Fase de Projecto Actual: Concluído

Ano: 2016-2017

PRÉMIOS

ArchDaily - Nomeação para Refurbishment Award 2019

MEMÓRIA DESCRITIVA

O projecto Casa Pescadores tinha como desafio a reabilitação de uma habitação unifamiliar, situada no centro da Trafaria – uma vila piscatória na margem esquerda do Rio Tejo, defronte da cidade de Lisboa. Ao longo do séc. XX foram sendo construídos silos e outros equipamentos industriais e as típicas casas de pescadores começaram a ser substituídas por construções de carácter ilegal, condenando a pequena vila à degradação urbana. Ao visitarmos o local deparámo-nos com um edifício em plena ruína – uma antiga casa de pescadores. Caminhámos um pouco pelas ruas da envolvente e acabamos por ser abordados por uma senhora que outrora terá habitado o piso superior da casa principal, e que nos contou como era viver naquele sítio. Começou por ser uma surpresa perceber que aquele pequeno edifício era dividido em duas habitações diferentes – uma no piso 0 e outra no piso 1 (constituído por águas-furtadas, com um pé direito máximo de 2m), sem quaisquer infraestruturas. A construção era bastante pobre, feita com os materiais que estavam à mão – areia, lama, pedras, conchas, pequenos pedaços de cerâmica, madeira, etc. Tendo este cenário presente, pareceu-nos óbvio que deveríamos contrariar o recente historial desta vila. Seria essencial preservar a traça original deste edifício, adaptando-o às necessidades dos actuais proprietários – uma jovem família. O objetivo dos clientes era conseguir uma casa multifuncional – uma casa de férias e para aluguer de curta duração no presente, e uma habitação onde gostariam de viver no futuro. A pré-existência era constituída pela casa principal, descrita anteriormente, por uma garagem e um anexo. Era essencial criar um espaço luminoso que se relacionasse com o exterior, pelo que através da ampliação dos vãos existentes – passando de simples janelas a portas – tentámos quebrar todas as barreiras previamente existentes. A entrada da habitação foi redefinida através de um novo volume, entre o edifício principal e a antiga garagem que foi transformada, por sua vez, num quarto, com um caráter mais independente. O piso térreo do edifício principal foi desenhado de forma a ficar livre de obstáculos, com espaços amplos, ligados entre si, tendo como elementos-chave, a zona de estar/refeições e cozinha, separados apenas pelo volume que constitui as escadas. Com o intuito de criar dois quartos e uma instalação sanitária no piso 1, a cobertura foi repensada, sendo uma vertente do telhado mantida com o seu desenho original, e a outra redesenhada, com uma inclinação de 20º, permitindo a criação de uma grande vão, de forma a garantir uma melhor habitabilidade dos espaços. No pátio foi construído um novo volume, para arrumo de bicicletas, lenha, etc, que incorpora uma zona de barbecue, um duche exterior e um banco – surgindo como uma espécie de escultura, que para além do seu o caráter funcional, tem ainda o objetivo de reorganizar o espaço exterior, separando o espaço de estacionamento da zona de jardim.